sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

O Poder da mente

i

Mas era, eu sei, por sufoco ,
Talvez seja apenas um vacilo meu.
Talvez nem esteja vendo aquele moço,
De olhos claros e comportamento plebeu

Por distração, comoção.
Pra refugiar. Por medo eu confesso.
Estando sempre com estilhaços na mão.
Algo invento, regresso.

Eu via com os olhos fechados.
Dos pés a cabeça, o fervor subia.
Não tendo mais doce, nem amargo
Deito ao chão, dormente de anestesia.

É neste momento que ouço os gritos:
A histeria, a loucura, o insano.
A passos largos, fino infinito.
Ponho as mãos na cabeça, como que pensando.

Ai meu deus, meu pai, meus deus!
Por que minha perna treme sem que eu queira?
Meus olhos choram aos olhos teus.
Meu coração pula, como o fogo da fogueira

E quando finda todo o sinal de barulho
Estenuado, ergo o cérebro e a cara a frente
Me percebo tão só, que nem acompanhado de orgulho
Decifro tal loucura que criou minha mente.

3 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Estamos vindo até você para convida-lo à fazer parte do BlogPiauí. O BlogPiauí é um espaço para reunião de todos os Blogueiros Piauienses. Aqui poderemos trocar idéias, nos divulgarmos, dar dicas uns aos outros, aprender coisas novas e muito mais. Será um prazer tê-lo na nossa lista de Blogueiros. Visite-nos e deixe seus dados para adicionarmos você:
    - Nome;
    - Endereço de Blog;
    - E-mail;
    - E a título de pesquisa, nos informe de qual cidade/estado você está nos acessando agora.

    Esperamos você.

    :: blogpiaui5.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Bem interessante esse teu estilo investigador do subconciente. Me lembra a temática do simbolismo, mas com a graça da vanguarda surrealista. Legal. Também escrevo poemas, dá um olhada no meu blog:

    http://brindandoamorte.blogspot.com

    vlw

    ResponderExcluir
  3. muito belo. sem mais nenhum dizer.

    ResponderExcluir